O papel de cada profissional na cena do parto

Obstetriz, enfermeira, obstetra, pediatra e doula são os profissionais que podem dar assistência à mulher e ao recém-nascido no trabalho de parto, parto e pós-parto. Apesar de muitas vezes trabalharem de forma transdisciplinar, possuem formações, responsabilidades e atuações distintas.

Para a assistência ao trabalho de parto e parto, precisamos, no mínimo, de 2 profissionais com responsabilidade técnica: um habilitado a dar assistência à mulher e outro habilitado a dar assistência ao recém nascido. Essa “dupla” pode ter diferentes composições: duas enfermeiras obstetras, uma obstetriz e uma enfermeira obstetra, um médico obstetra e uma enfermeira, um médico obstetra e um médico pediatra, uma enfermeira ou obstetriz e um médico pediatra, etc.

A variação desse conjunto de profissionais depende de outros 2 fatores importantes:

1. Gestante e bebê, ou seja, se a gestação é de baixo ou alto risco.
2. Local do parto: domicílio, casa de parto ou maternidade.
3. Se um dos profissionais tem habilitação em atendimento e reanimação ao recém-nascido.

Caso a mulher esteja dentro do grupo de baixo risco, ela pode receber a assistência tanto por profissionais obstetrizes e enfermeiras quanto por médicos obstetras, assim como se ela desejar ter seu parto domiciliar ou em casa de parto. O médico obstetra é insubstituível apenas em caso de gestação de alto risco e em parto hospitalar (nesse caso por exigência das instituições).

“Mas, se eu decidi ter um médico obstetra e um médico pediatra, eu não preciso de uma enfermeira ou obstetriz?”

Há equipes que possuem esses três profissionais atuando em conjunto, de forma que a mulher tem a enfermeira ou obstetriz e o médico obstetra para atendê-la, além do médico pediatra para dar assistência ao bebê. É um conjunto ótimo de trabalho, especialmente pois garante uma maior cobertura de assistência em trabalhos de partos longos e em casos em que o há outras mulheres em trabalho de parto com a mesma equipe responsável. Além disso, a possibilidade de troca de informações e decisões é de grande importância na assistência humanizada.

Bom, sabendo que pode-se ter 2 a 3 responsáveis técnicos na cena do parto, vamos entender cada um:

Enfermeira obstetra

Com formação em Enfermagem e especialização em enfermagem obstétrica, a enfermeira obstetra tem capacitação para acompanhamento do trabalho de parto e parto de baixo risco em ambiente hospitalar, domiciliar e em casa de parto. Em maternidades necessita de um médico responsável pelo serviço ou assistência (por exemplo, em caso de equipe particular, ela pode assistir ao parto dentro do hospital contanto que haja médico obstetra na equipe).
Durante o trabalho de parto, avalia bem-estar da mãe e bebê através de exames como ausculta fetal (batimentos cardíacos do bebê), progressão de dilatação do colo do útero, progressão da posição e descida do bebê, pressão arterial materna e outros.

Obstetriz

Com formação em Obstetrícia, a obstetriz tem capacitação para acompanhamento do trabalho de parto e parto de baixo risco em ambiente hospitalar, domiciliar e em casa de parto. Em maternidades necessita de um médico responsável pelo serviço ou assistência (por exemplo, em caso de equipe particular, ela pode assistir ao parto dentro do hospital contanto que haja médico obstetra na equipe).
Durante o trabalho de parto, avalia bem-estar da mãe e bebê através de exames como ausculta fetal (batimentos cardíacos do bebê), progressão de dilatação do colo do útero, progressão da posição e descida do bebê, pressão arterial materna e outros.

Médico obstetra

Com formação em medicina e residência-especialização em Ginecologia e Obstetrícia, esse profissional é capacitado para acompanhar gestantes de baixo e alto risco em partos normais, instrumentais (em caso de fórceps, por exemplo) e cirurgias cesarianas. Em alguns serviços, são solicitados apenas quando o trabalho de parto ou parto saem do considerado “seguro” e necessita de intervenções, possibilitando que a assistência seja dada à maioria pela enfermeira obstetra.
Durante o trabalho de parto, avalia bem-estar da mãe e bebê através de exames como ausculta fetal (batimentos cardíacos do bebê), progressão de dilatação do colo do útero, progressão da posição e descida do bebê, pressão arterial materna e outros.Caso necessário, como descrito anteriormente, é habilitado a realizar intervenções maiores e ainda cirurgia.

Médico Pediatra ou Neonatologista

Com formação em medicina e residência-especialização em neonatologia e pediatria, esse profissional realiza um trabalho de assistência humanizada ao recém-nascido. Esse trabalho pode ser realizado tanto em hospital quanto em domicílio além de contemplar gestações de alto e baixo risco e bebês nascidos em qualquer idade gestacional. É o profissional especialista e com olhar direto ao bebê após nascimento: sinais vitais, reflexos, etc.

Além da assistência técnica, há ainda, uma profissional do parto que trabalha na “lacuna” que os demais profissionais não atuam: a doula.

A doula é a profissional que não possui responsabilidade técnica ou clínica pela mulher, mas que permanece ao lado da gestante durante todo o processo de trabalho de parto e parto no manejo das possíveis dificuldades.

Com técnicas não invasivas e não farmacológicas, como massagem, respiração, encorajamento, posturas, essa profissional consegue amenizar dores, diminuir medos e possibilitar que a experiência de parto seja positiva e respeitosa. A formação dessa profissional é específica para doulas. Em todas equipe humanizadas e a pedido das mulheres, é a profissional considerada indispensável e insubstituível.

No dia do parto, essa equipe trabalha em conjunto, na avaliação e no apoio a mulher. Para a escolha de quem estará junto, além dos fatores técnicos descritos, é importante que a gestante tenha afinidade, confiança e simpatia pelo profissional, já que este estará junto no dia mais importante da vida dela.